Arquivo do dia: 18 18UTC janeiro 18UTC 2011

Notas para uma crítica pela esquerda à postura governamental nas últimas grandes tragédias climáticas*

*Por Jorge Borges

No que tange à interpretação dos porquês de tanta morte e desgraça em virtude das chuvas e outros eventos naturais, muito tem me preocupado o lugar comum no qual tem caído muita gente boa da esquerda não acomodada, da esquerda fora dos esquemas palacianos. Mesmo sendo público e notório que nossas cabeças pensantes nos partidos, sindicatos e movimentos, dos mais combativos aos mais conformados, sejam meio avessos a questões mais técnicas, não dá pra negar que é preciso uma certa cultura técnico-científica para embasar a abordagem política do modo como as tragédias nossas de cada ano vem sendo analisadas. Nada einsteiniano, mas o pensamento tem que ir bem além do senso comum que ora se impõe.

Cabral e Dilma: velhas práticas, velhos discursos, novas tragédias.

Num primeiro momento, vemos a ex-esquerdista presidenta Dilma reproduzir o discurso já ensopado do neo-caudilho Sérgio Cabral, onde a “culpa” pelas dezenas de mortes no cataclisma da região Serrana seria dos moradores que buscam as “áreas de risco” para se instalarem e dos prefeitos e outros políticos demagogo-populistas que criam as facilidades para que essas práticas se reproduzam. Tal infâmia nos remete, de imediato, à tragédia do ano passado, já quase esquecida, onde outras dezenas de famílias perderam tudo ou quase tudo, numa tempestade que se abateu sobre a região metropolitana e até hoje os sobreviventes sentem na pele a dor da perda e do abandono por parte desses mesmos que lhes imputam, novamente, a “culpa”. Naquela oportunidade, nunca é demais lembrar, tanto o morfético Cabral quanto seu samael municipal, Eduardo Paes, levantaram exatamente a mesma tese, que serviu para legitimar investidas das mais violentas, nefastas e sobretudo ilegais contra as comunidades pobres da capital e de Niterói, ao longo de 2010, com apoio de Lula.

Continuar lendo

Anúncios

Nota do PSOL/RJ em solidariedade ao povo da Região Serrana do Rio de Janeiro

Luto e luta!

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL/RJ), com dor e indignação, manifesta mais uma vez sua plena solidariedade às vítimas das enchentes na Região Serrana do Rio de Janeiro, em particular às famílias enlutadas.  Nossa solidariedade é efetiva e imediata, pois já estamos – dirigentes, parlamentares e militantes – empenhados em coletar e encaminhar os bens necessários neste momento emergencial. Conclamamos toda a cidadania a que intensifique esse gesto fraterno elementar.

Mas essa atitude humanitária não impede, como é nosso dever de organização política, a análise de uma situação crônica e letal, que não pode mais se repetir.

A urbanização brasileira concentrou-se, historicamente, no nosso litoral, na Serra do Mar e na margem de rios. Isso impõe, sobretudo com os extremos climáticos já previstos, cuidados preventivos especiais – factíveis, mas geralmente jamais tomados, por omissão e descaso do Poder Público, sobretudo em relação às populações pobres.