Arquivo do dia: 10 10UTC julho 10UTC 2011

Estado de emergência olímpico

Por Chico Alencar

A dinâmica econômica no mundo é hegemonizada pela economia do mercado total e pelo reiterado “caminho único” das relações capitalistas de produção, comércio e consumo. A chamada livre iniciativa, com o êmulo do lucro e da competitividade, é dogma inquestionável que possibilitará a conquista do bem viver, “que só não chegará aos incompetentes”. Nesse cenário, o espaço da política, colonizada pela economia, diminui: naturaliza-se a expansão do capital como caminho irreversível para o êxito dos negócios, forjando-se um totalitarismo simbólico frente ao qual qualquer consideração de ordem política ou social é “filosofia”, “irrealismo”, “discurso fora de lugar e antipatriótico”. Esse movimento transnacional estrutura também as iniciativas e oportunidades de investimentos que se abrem com os megaeventos esportivos, alavancados por poderoso consórcio de interesses diversos, edulcorados pela atração do lazer, dos corpos triunfantes carimbados por mil patrocínios. Coesão de diferentes empreendimentos privados, que subordinam o Poder Público e são legitimados pela aceitação popular, estimulada pelo discurso da “vocação da cidade” para recepcionar o hipertorneio, como explicita o ensaio “Força-de-Lei: Rupturas e Realinhamentos Institucionais na Busca do Sonho Olímpico Carioca”, de Nelma de Oliveira, doutoranda do IPPUR/UFRJ. Agora o Brasil é, literalmente, a bola da vez. Continuar lendo