Arquivo do mês: outubro 2011

Milícia planeja assassinar deputado Marcelo Freixo, dizem documentos

Por O GLOBO

RIO – A Coordenadoria de Inteligência da Polícia Militar, o Ministério Público e o Disque-Denúncia registraram, em pouco mais de um mês, sete denúncias de que várias milícias estão preparando o assassinato do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL). Presidente da CPI das Milícias, que, em 2008, provocou o indiciamento de 225 pessoas, entre políticos, policiais militares e civis e bombeiros – boa parte do grupo está presa -, Freixo vai deixar o Brasil na terça-feira, com a família, a convite da Anistia Internacional.

REPÓRTER DE CRIME: Na terra em que o político que faz o certo vira alvo do errados

O parlamentar vai para a Europa, mas o país de destino e o tempo de permanência no exterior estão sendo mantidos sob sigilo. Em reportagem publicada ontem, O GLOBO revelou a atuação de milicianos em pelo menos 11 estados , segundo dados fornecidos por Ministérios Públicos e Ouvidorias de Polícia.

Em alguns casos, como o da Bahia, as milícias agem com as mesmas características das do Rio em bairros de Salvador. Elas exploram o transporte alternativo e a distribuição de serviços de internet, de TV a cabo e de gás. Há suspeita também da participação de políticos.

Em entrevista ao GLOBO, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, admitiu o problema das milícias. Já a corregedora Nacional de Justiça, a ministra Eliana Calmon, afirmou à reportagem que milicianos estão por trás da maioria dos casos de violência contra os magistrados brasileiros. Por isso, ela iniciou uma força-tarefa nos 27 estados para tentar identificar e punir grupos paramilitare Continuar lendo

Anúncios

Democracia: Para quem? A favor de quem? Se a minoria impõe ao povo suas vontades, por que não a maioria (o povo) impor aos ricos (1% da população) os seus direitos?

Jovens ocupam Cinelândia no Rio de Janeiro inspirados no movimento “Ocupe Wall Street

Um grupo de cerca de 150 jovens ocupa neste momento a Praça da Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, como uma forma de protesto semelhante a outros que têm ocorrido em vários países.

Por LUSA – Agência de Notícias de Portugal, S.A.

O “movimento permanente de ocupação” brasileiro, como lhe chamam os seus próprios elementos, começou através das redes sociais, com a criação do evento “Ocupa Rio”, que contou com a adesão de diferentes grupos com diversas reivindicações.

“O mais importante é frisar que somos um movimento pacífico, horizontal e apartidário. Ninguém aqui fala pelo coletivo, e cada um tem a sua própria reivindicação”, explicou hoje à Lusa um dos manifestantes, que não quis identificar-se.

Muitos dos manifestantes chegaram à Praça da Cinelândia, no domingo à noite, onde montaram barracas e passaram a noite. Durante o dia de hoje (24), contavam-se mais de 40 barracas montadas no local e alguns cartazes começavam a ser colocados.

As reivindicações vão desde uma reforma agrária à não construção da central hidroelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará. Alguns dos cartazes, porém, têm frases mais abrangentes como: “Nós por Nós mesmos” e “Enquanto eles não nos deixarem sonhos, não os deixaremos dormir”.

Continuar lendo