Arquivo do mês: outubro 2012

Uma eleição solar

Por Chico Alencar

No Brasil inteiro, as eleições municipais assinalam o início do cansaço da população com as grandes máquinas de captar votos, dos partidos fortes mas ideologicamente anêmicos e muito assemelhados em suas práticas. A ‘americanalhização’ da política – feliz expressão do nosso saudoso Carlos Nelson Coutinho – parece que não terá vida longa por aqui… Isso explica os 20,45% de abstenções, nulos e brancos. E, no miúdo mas concreto, o extraordinário desempenho do pequeno PSOL, que busca se afirmar com nitidez e princípios. Sem fazer aquelas alianças oportunistas e de ‘vale tudo’, sem pacto com potenciais mensaleiros e fichas sujas, elegemos 49 vereadores (crescimento de 96%), tendo agora representação – para fazer a diferença! – em capitais como Macapá, Belém, Rio de Janeiro, Fortaleza, Natal, Maceió, Salvador, Goiânia, São Paulo, Florianópolis e Porto Alegre.

O Rio é um capítulo especial e comovente. Os 914.082 votos em Marcelo Freixo são marco histórico de uma eleição de turno único. Afinal, Paes, com o PMDB e sua aliança de negócios, Maia (DEM), Otávio (PSDB) e Aspásia (PV) representam o mesmo projeto. Não por acaso, o prefeito reeleito já foi de todos esses partidos… Então, fomos nós, do PSOL, que galvanizamos as forças sociais da cidadania, reencantando parte importante da juventude para a política, contra o sistema! Não houve vitória eleitoral na majoritária, mas uma baita vitória política. As urnas nos consideraram, de forma consciente e luminosa: temos a 2ª maior bancada da Câmara carioca, os três vereadores mais votados em Niterói – onde o candidato a prefeito Flávio Serafini também brilhou – e a 1ª prefeitura ‘psolar’ do país, Itaocara, do nosso combativo Gelsimar. Belém e Macapá virão com o 2º turno.

“Saudade é ser, depois de ter” (Guimarães Rosa): nosso voto foi, emocionado, o 50 de Carlito, Paulo Piramba, Daniel do Vale e tanto(a)s outro(a)s que partiram fora do combinado. Voto lúcido, de luz! Os eleitos haverão de honrá-lo.

Chico Alencar é deputado federal pelo PSOL/RJ.

Uma eleição de vitórias para o PSOL

Campanha no Rio é a síntese do sucesso do PSOL nas eleições 2012.

O ano de 2012 ainda não chegou ao fim e certamente há muitas lutas pela frente. Mas já podemos afirmar com certeza de que esse já é um ano vitorioso para o PSOL. Enfrentando os efeitos da crise econômica global, o PSOL reafirmou saídas alternativas para que os trabalhadores não paguem a conta pelas turbulências na economia mundial. No Brasil, o PSOL reafirmou sua oposição às privatizações promovidas pelo Governo Dilma, lutando por mais recursos para as áreas sociais, como demonstrou o extraordinário engajamento de nossos militantes e parlamentares na luta pela garantia de 10% do PIB para a educação pública. Ao mesmo tempo, o PSOL firmou-se como referência na luta em defesa do meio ambiente, opondo-se de forma veemente às mudanças no Código Florestal e denunciando as alternativas da chamada “economia verde” e da mercantilização da natureza. Na luta pela transparência e ética na política, o PSOL reafirmou sua vocação de partido comprometido com o combate à corrupção, tendo sua bancada como a mais combativa e independente na “CPI do Cachoeira”, defendendo ampla apuração das irregularidades constatadas, doe a quem doer.

Nos últimos meses, nossa militância esteve dedicada a uma tarefa decisiva para o futuro do PSOL: as eleições municipais. Lutando contra máquinas eleitorais poderosas, nosso partido atingiu seu melhor resultado, praticamente dobrando o número de vereadores eleitos e elegendo seu primeiro prefeito em Itaocara, no Rio de Janeiro. Mas não foi só o aumento dos espaços institucionais que atestam a vitória do PSOL nessas eleições. O desempenho do partido na maioria das capitais e em várias outras cidades do país mostra que nosso partido tem se firmado como alternativa real de poder contra as velhas estruturas partidárias comprometidas com a manutenção do modelo de desigualdade que impera em nosso país. Prova disso é a eleição de vereadores em onze capitais: Porto Alegre, Florianópolis, São Paulo, Rio de Janeiro, Maceió, Salvador, Natal, Fortaleza, Goiânia, Macapá e Belém, muitas vezes ampliando a bancada do partido em locais onde já contávamos com vereadores. Continuar lendo